Mês: fevereiro 2021

A caracterização de Viola Davis para “A Voz Suprema do Blues”

A caracterização de Viola Davis para “A Voz Suprema do Blues”

Se existem duas coisas que mais amo no mundo da arte são: CINEMA e MÚSICA.  Meu estilo favorito é o Blues e minha atriz favorita é Viola Davis… sou a pessoa mais suspeita para recomendar esse filme… Então, não precisam acreditar em mim! Ainda bem que venho aqui para falar sobre o processo da maquiagem e não para fazer minha crítica ao filme, senão a nota seria maior que 10! (Aprendi, trabalhando no departamento de marketing de uma empresa que comercializava filmes  – vulgo 2001 Vídeo para quem conhece – que para recomendar um filme, basta apesentar os fatos a respeito da obra, sem a necessidade de colocar o gosto pessoal. Então, vamos aqui aos fatos).

O filme traz Chadwick Boseman como coadjuvante numa despedida e Denzel Washinton como produtor executivo. (Vamos lembrar de “Fences” – Um Limite Entre Nós, que traz o mesmo no elenco, produção e direção).

Como de costume, venho aqui para defender o departamento de maquiagem (cabelo, caracterização, efeitos especiais, e por aí vai) e lembrar que ele é fundamental para a construção do personagem. É uma tecla que não canso de bater.

O tema “construção de personagem” é algo especial para mim pois quando falo sobre isso, é um do poucos momentos em que sinto que as palavras maquiagem e psicologia se contectam.

Vamos ao filme…

A força de Ma Raney é transmitida de todas as formas possíveis ao espectador: A alma emprestada por Viola através de seu olhar, postura e entonação da voz, o suor e a maquiagem borrada propositalmente pelo responsável pela caracterização, a característica do cabelo que denuncia seu poder, o figurino milimetricamente pensado para as curvas de seu corpo e outras dezenas de detalhes que hipnotizam nosso olhar.

A lendária mãe do Blues está no ano de 1927 em Chicago para gravar um disco e como disse Viola em uma entrevista, “She owned it”… “Chegava chegando”, como dizemos por aqui. Uma mulher empoderada em plenos anos 20 é de encher nosso coração de orgulho. Eu, que sou mulher, e me considero feminista, vibrei a cada levantada de queixo, cada batida de pé e a cada aumento de tom de voz que ela deu, deixando todos os homens à sua volta aos seus pés. Uma personalidade inspiradora!

ENFIM, A TRANSFORMAÇÃO DE VIOLA EM MA RAINEY

Viola Davis fez o possível para alcançar o peso de Ma Rainey (130 KG), mas chegou no limite aos 90 kg e teve que usar um “fat-suit”  (O fat suit é um efeito para engordar que fica abaixo da roupa e por isso é administrado pelo departamento de figurino, diferentemente de uma prótese de maquiagem FX, onde a pele é evidente e há a necessidade de criar peças de silicone para substituí-la).

Em uma entrevista para Zeba Blay (Huffpost), Viola enfatiza a importância da caracterização para encarnar na personagem. Ela fala que materializar as características desses elementos foi a melhor escolha. O mais legal de tudo isso é que ela traz em várias entrevistas referências positivas de mulheres grandes, gordas, empoderadas e sexie,s que influenciaram sua vida, e o quanto isso ajudou a construir essa personagem. Fala sobre a tia Joyce, que era a primeira mulher mais linda que viu na vida, e ela pesava mais de 130kg. Fala sobre sua postura, o jeito empoderado de se vestir, sua beleza, seu sex appel, e a maneira como ela caminhava, rebolando e cheia de pose. Ela disse que essa maneira de enxergar fez toda a diferença. Porque Ma Rainey era empoderada. E ela não trabalhou contra o peso e sim a favor dele.

“Quando ela chega, tudo pára” e isso tem muito a ver com o que sua estética corporal representa. “Eu não queria que ela fosse apologética com isso… Eu até descobri que sabia andar de salto, mas só quando estava incorporada de Ma Rainey… sou péssima andando de salto na vida real.”

Tudo isso somados aos dentes de ouro, aquela maquiagem oleosa e pesada (totalmente proposital), os cílios de boneca…

Ela diz: Na pré-produção de um filme, quando fazemos a prova de figurino e maquiagem, vamos construindo com os designers e também damos nossa opinião. É uma construção em conjunto. E, naquela época nos EUA, era muito comum as mulheres usarem peruca de crina de cavalo e a maquiagem não era lá a mais bem feita… Fora as luzes e os lugares onde ela costumava cantar e a forma pitoresca de se apresentar que era uma estratégia para entreter o público.

E continua: Então resolvemos “bagunçar” a maquiagem em comparação ao que fizemos bonitinho nas primeiras provas. Somamos muito suor, suor o tempo todo, porque em todas as pesquisas encontrávamos esta característica. E o meu grande medo – e desafio – era somar todas essas características à personalidade empoderada dela enaltecendo sua personalidade que empunha respeito.

Se eu não conseguisse chegar nesse lugar, não me perdoaria. Eu tinha que honrar essa mulher. Toda sua complexidade. Isso não significa que ela não tinha defeitos ou que não pudesse em alguns momentos ser engraçada, mas… ela tinha algo muito mais profundo dentro dela. Eu não queria padroniza-la…

UMA ENTREVISTA COM A EQUIPE DE MAQUIAGEM

(‘Ma Rainey’ Hair & Makeup Designers On Capturing Trailblazer’s Essence – Deadline)

Os maquiadores e hair stylists Mia Neal, Sergio Lopez Rivera e Matiki Anoff trabalharam na caracterização de Viola o filme captando sua essência e todas as dinâmicas raciais daquela época.

A equipe precisou mergulhar numa pesquisa aprofundada em registros de pessoas da cidade de Chicago nos anos 20 (não só a para construir as características da protagonista como todos os coadjuvantes e elenco de apoio).

O especialista em cabelo (hair department head) Neal e o maquiador pessoal de Viola, o Sergio Lopez Rivera, mergulharam em registros dos anos 20, estudaram suas características psicológicas e suas experiências como uma artista negra vivendo nos anos 20.

Enquanto Sergio Lopez Rivera buscava a maquiagem pesada e oleosa para que Rainey usasse como armadura, Neal construía perucas, incluindo as feitas de crina de cavalo, além de contruibuírem com a a maquiadora que assinava o filme – a mekeup department head Matiki Anoff –  para os looks dos coadjuvantes, componentes da banda, figuração e elenco de apoio.

Em uma entrevista para a Deadline eles falam sobre o processo de trazer a peça para o cinema, o curto tempo para a pré-produção (viram só? Não somos só nós que sofremos com isso aqui no Brasil!).

Sergio Lopez Rivera fala que um dos maiores desafios foi na busca de fotos para usar como referências. Ele não conseguia captar o que ela sentia com seus looks através dos registros que encontrava.

Seus questionamentos iam: Quem era essa mulher? E como era o mundo dela? Qual era o grau de liberdade que ela alcançava, no sentido de direitos das mulheres? Como vivia numa mulher Afro americana neste local e época? O que estava ou não ao seu alcance? Quais as limitações? Sua educação? Suas características psicológicas?

Estamos falando sobre uma mulher negra, gorda e gay nos anos 20, então tem um contexto psicológico importante a ser estudado, para nos fornecer material suficiente para criar seu aspecto visual.

Mia Neal (hair dept. head) conta que recebeu a proposta duas semanas antes do início das filmagens. Ela diz: “Quando ficamos sabendo a respeito da quantidade de pessoas que estavam na figuração, eu sabia que ia ter que tirar da cartola, tipo, umas 100 perucas para garantir, porque é difícil sabermos a esse ponto quem são essas pessoas e não há tempo de testá-las com antecedência.

Então, durante essas duas semanas eu construía as perucas dos principais a também tinha que dar conta dessas 100 perucas da figuração. “Me apoiei muito na figurinista Ann Roth e na pesquisa dela, além da minha experiência com teatro, mas, ainda assim, as limitações eram muitas e é difícil saber para que lado seguir.”

Ann tem uma equipe de pesquisa e encontraram uma informação importante. Que a peruca que ela costumava usar em suas performances era feita com crina de cavalo. Outro desafio é que existem apenas uma meia dúzia de fotos oficiais no mundo sobre Ma Rainey. Então você tem que se prender com todas as forças nesse pequenos detalhes que encontra e tentar ser o mais fiel possível a esses registros.

Eu e Ann concordamos sobre ter a peruca de crina de cavalo. Encomendei da Europa. Então, imagina, eu não fazia ideia do que ia chegar em minhas mãos… E pasmen…estava cheia de lêndeas, afinal havia sido cortado literalmente sido cortado de um cavalo de verdade. Ao menos não estavam vivas pois claramente estava guardada sabe lá Deus  desde quando, ainda bem!

Era uma “lace” tão pequena que tive que adaptar, costurar e foi a primeira vez que fiz isso com luvas por causa das lêndeas. No fim das contas eu fervi a peruca até que estivesse totalmente higienizada e descobri que isso ajudava a amaciá-las, o que foi ótimo! Acabei descobrindo que ela devia usá-las justamente pelo fato de lacearem com o calor. Nos anos 20 não era fácil encontrar esse tipo de serviço em qualquer esquina, então o cabelo dela estava sempre pronto.

Além desta, tinham as outras perucas com aquelas ondulações, também as trouxe da Europa. Um item importante que lhe dava classe e estatura na sociedade. Em determinado momento, ela se torna uma mulher poderosa, com dinheiro, podendo bancar isso. Então as perucas acabam ajudando a contar essa história, as questões psicológicas por trás do look.

O QUE TERÁ ACONTECIDO À BABY JANE

SERGIO LOPEZ RIVERA

As características de Bette Davis no grande clássico Whatever Happened to  Baby Jane (O Que Terá Acontecido à Baby Jane) aparecerem nos primeiros dias de filmagem. A maquiagem borrada e derretida sempre foi a ideia, eu pensava passar a impressão que ela mesma fez. Mas no segundo dia, Viola estava olhando para o espelho e teve esse estalo. Que referência! E me assusta saber que muitas pessoas nem sabem que filme é esse! Me deixa muito triste… E isso mostrou o quanto ela é destemida, considerando que estamos falando de uma celebridade de Hollywood. Ela fazia questão de que nós, tanto maquiagem quando figurino não estivéssemos preocupados em deixá-la bonita e sim fiel à personagem.

Então a partir disso, desenhei a maquiagem com liberdade usando produtos “clown”(à base de óleo), que derretessem facilmente. Foi uma liberdade que nunca senti na indústria… criamos, testamos, sem preocupar-se com o ego do ator. Foi um raro momento em que exerci minha criatividade com liberdade.

Outros elementos que ajudaram a trazer à tona a personagem foram os dentes de ouro, apagando aqueles lindos dentes brancos e aquele lindo sorriso de Viola. O outro foi apagar as sobrancelhas, fazendo aquela linha fina acima do seu desenho natural como era feito na época.

E os olhos: aquele pretão brilhante que usavam na época com cortiça queimada, gordura e vaselina nas linhas do olho. Bem anos 20, principalmente para quem não tinha acesso aos limitados cosméticos da alta sociedade.

Enfim tudo isso eu tinha que fazer parecer que ela mesma fez e que ela não era muito boa disso. Adicione a isso uma atmosfera de mal humor, a pessoa que não está num bom dia, está um calor do cão e tudo isso ao mesmo tempo.

DEADLINE: E A CONTINUIDADE COM TODO ESSE SUOR?

Matiki Anoff: O Sergio cuidou de cada passo com Viola para que pudéssemos dar atenção ao restante do elenco. A ação do suor realmente existe para a protagonista e isso acontecia naturalmente pois o cenário não tinha ar condicionado. Mas o suor dela tinha que ser mais evidente. Então tínhamos que ter o cuidado em dosar tudo isso, quem suava mais e quanto de suor cada cena pedia.

Então, toda vez que cortava a câmera, lá íamos nós para manter o aspecto de suor. Porque se você vacila em uma só cena, você coloca tudo a perder.

Além de tudo isso, tínhamos que ter o cuidado com a peruca, figurino. Alguns dos materiais para criar o aspecto de suor é à base de glicerina, então imagina o cuidado que não tínhamos que ter!

ANOFF

Considero todos os atores importantes. Todo mundo acaba sendo principal. Além disso, temos o desafio das diferenças da moda entre as épocas. Muitas mulheres hoje em dia têm microblading, unhas postiças. As sobrancelhas era super finas naquela época. TGrabalhamos com mais de 600 figurantes, então imagine! Toca a gente pedir luvar para o figurino cobrir as unhas de gel, equipe, vamos cobrir tatuagens… e um dos principais para ajudar tinha piercing, o que não existia naquela época, enfim… Todos esses pequenos grande detalhes que as pessoas nem imaginam são essenciais para a autenticidade.

NEAL:

Um hábito muito interessante, que me chamou a atenção na ANN ROTH é que ela pede para cada figurante caminhar até ela sentir quem é seu personagem. Ela costumava dizer: Essa parece que acabou de chegar do mercado,  dê uma bolsa pra ela”. Ela entra nessa história até ela sentir que criou essa pessoa no mundo real. Ela faz isso com cada figurante, eu nunca tinha presenciado isso, nesse nível.

LOPEZ RIVERA

É um processo inacreditável. De verdade. Eu estou nesse ramo há 30 anos e ainda assim me deixou boquiaberto. Ela teve esse cuidado com cada um, mesmo que sabemos que muitos deles nem iam aparecer.

NEAL

Então quando você vê a figurinista fazendo isso, você faz também. Você cria uma historinha para cada um.

Um grande desafio para a maquiagem é garantir a vivacidade da cor da cena quando há no elenco negros e brancos. Muitas vezes a pele negra fica acizentada ou os brancos pálidos, por exemplo. O diretor de fotografia conseguiu afinar a luz de uma forma tão magistral, sem nenhum defeito.

LOPEZ-RIVERA

É muito importantes sabermos como nossa maquiagem será fotografada, é através dela que fazemos os devidos ajustes e fazer esse filme foi algo muito especial. A sinergia da equipe dava um sentimento especial, foi muito bonito de se ver.

Meu objetivo é trazer emoção através da maquiagem, mas senti isso com todos os departamentos.

FIRST MAKEUP FX: MAQUIAGEM PARA  CINEMA DE “A a Z”

FIRST MAKEUP FX: MAQUIAGEM PARA CINEMA DE “A a Z”

MÉTODOS E PROCEDIMENTOS PARA A CÂMERA, ESTUDOS DE LUZ E TÉCNICAS DE EFEITOS ESPECIAIS

Em 7 encontros, o curso será ministrado por Dri Lopes (Makeup FX), Mirella Oliveira (Normas, procedimentos e introdução à maquiagem cinematográfica) e Rafael Cruz (Fotografia e estudos de luz)

Com conteúdos teóricos e práticos, serão abordadas situações reais do mercado de trabalho da maquiagem na produção cinematográfica, além das técnicas específicas para indústria.

Dentre os tópicos, estarão:

Normas e práticas, decoupage de roteiro, estudo de personagens, diferenças e semelhanças entre cinema, tv e publicidade, fotografia, teria das cores, caracterização e técnicas de maquiagem de efeitos especiais (hematomas, confecção e aplicação de próteses em silicone, prótese dentaria, entre outros).

Corpo docente:

Dri Lopes 

(Makeup FX – Maquiagem de Efeitos Especiais)

Designer de Moda com formação na Escola Panamericana de Arte, Dri ministrou aulas de formação para recreadores e maquiagem infantil no Senac, atuou 5 anos como maquiadora cênica, cenógrafa e figurinista no Teatro, fez parte da equipe do Studio J Makeup por 3 anos ministrando diversos cursos de maquiagem, atuando como figurinista e cenógrafa, participando de eventos e produções de TV como maquiadora de beauty, artística e efeitos especiais. Fundadora da First Shop Makeup FX , produz peças para a indústria audiovisual e ministra diversos cursos em seu espaço na Lapa (SP).

Mirella Oliveira

(Normas, procedimentos e introdução à maquiagem cinematográfica)

Mirella Oliveira é maquiadora de cinema e publicidade com graduação pelo Instituto L´Oréal Professionnel, aperfeiçoamento nas áreas de caracterização e efeitos especiais em Hollywood, formação em Psicologia e Pós Graduação em Gestão de Pessoas pela FAAP, e especialização em Roteiro e Distribuição Cinematográfica pelo Instituto de Cinema de SP.

Presta serviço para as principais produtoras do Brasil e possui em seu curriculum mais de 500 filmes publicitários, títulos em curta e longa-metragem, entre eles dois internacionais.

Mirella é fundadora do portal www.maquiagemnocinema.com.br e conselheira fiscal do Instituto Brasil Cultural. Além disso, ministra aulas em escolas de cinema e em seu espaço localizado no Alto da Lapa (SP), onde também hospeda um acervo de caracterização e perucaria, a oficina de efeitos especiais “First Shop Makeup” e o estúdio de fotografia e artes “Ateliê e Estúdio Mirra”.

Rafael Cruz

(Fotografia e estudos de luz)

Artista visual, tendo como base em sua expressão a carreira fotográfica de mais de 15 anos. Com formação pela APBM&F em 2006, foi selecionado para a exposição “Imagem da Cidade” na Caixa Cultural (curadoria de João Kulcsár). Solidificou sua carreira em estúdio assessorando trabalhos de Still, Moda, Splash, Gastronomia e Retratos, ao lado de fotógrafos como Luciano Munhoz, Bruno Bernardi, Fernando Gardinalli, Felipe Gombossy, Luiz Fernando Macian e Marcelo Trad. Especializou-se no mercado de arquitetura e design de interiores e há 10 anos dedica-se aos registros de eventos sociais e corporativos. Empresta sua visão assertiva para cenários e disposição de objetos e destaca-se pelo domínio atualizado de ferramentas de edição, resultando em um olhar criativo e extremamente técnico.
No auge de sua maturidade profissional, Rafael hoje revisita seu acervo fotográfico para criação de novos olhares – culminando na criação de trabalhos autorais – e torna-se idealizador do Ateliê e Estúdio MIRRA.

AULA 1

TEORIA E INTRODUÇÃO À MAQUIAGEM CINEMATOGRÁFICA

Normas e Práticas

  • Procedimentos para ingressar na indústria
  • Normas e práticas no set de filmagem
  • Organograma e segmentação no cinema: Equipe interna, equipe de arte, relacionamento com os diversos departamentos e hierarquia
  • A responsabilidade do maquiador numa produção
  • Cuidados com segurança e higiene/ Protocolos COVID-19
  • Cinema X Publicidade
  • Brasil x Exterior
  • Decupagem de Roteiro
  • Continuidade

Introdução à Maquiagem Cinematográfica: posição estratégica e criativa

  • Estudo e construção de personagens: cenas do dia a dia, estereótipos, caracterização, técnicas simples de efeitos especiais
  • A arte imita a vida (a desconstrução da beleza e a importância das referências)
  • A importância do olhar do maquiador para a câmera
  • Elenco principal, coadjuvantes e figuração
  • Características do elenco e como usar a criatividade para propor looks
  • Cores: colorimetria, fotografia e direção de arte
  • Categorias da maquiagem cinematográfica: Maquiagem natural, maquiagem realista, maquiagem artística, cabelo, pêlos faciais, maquiagem de efeitos especiais
  • Estudos de Caso
  • Proposta de construção de personagem
Teoria e Introdução à Maquiagem Cinematográfica

AULA 2

FOTOGRAFIA E ESTUDOS DE LUZ

  • Organograma da equipe de Fotografia no Cinema
  • Introdução aos estudos de luz
  • Maquiagem para foto e vídeo
  • “A foto para a maquiagem ou a maquiagem para a foto?”
  • Os desafios da câmera HD
  • Cores quentes e frias
  • Contrastes
  • Erros mais comuns
  • P & B
  • Estudos de caso
Fotografia e Estudos de Luz

AULA 3

MAQUIAGEM DE EFEITOS ESPECIAIS: FACE CASTING E ESCULTURA PARA A CONFECÇÃO DE PRÓTESES

  • Face casting
  • Esculpir ferimento de laceração flat
  • Processo de molde do flat
  • Esculpir ferimento de laceração no face casting para floating
  • Deixar o face casting em floating
  • Preparação do PTM (se houver disponibilidade do Prosaide no Brasil por conta da pandemia do Covid 19) e adaptação do PTM brasileiro (sem a necessidade de importação da matéria-prima)
Makeup FX: Molde e primeiros passos para a confecção de próteses

AULA 4

MOLDE, SILICONE E TRANSFER (PTM)

  • Retirar o Face casting do floating
  • Sacar as esculturas, colocar em flat e refitar
  • Molde para flat
  • Silicone
  • Tirar o molde do dia anterior
  • Limpar mais que bem
  • Aplicar PTM e geladeira
Molde, silicone e transfer (PTM)

AULA 5

QUEIMADURA, FERIDA, HEMATOMA, ENVELHECIMENTO

  • Queimadura com silicone
  • Queimadura com gelatina
  • Queimadura com plástico filme
  • Casca de ferida com pó de café
  • Hematomas, cortes e pancadas com maquiagem
  • Envelhecimento com látex

Queimadura, ferida, hematomas
envelhecimento

AULA 6

INTRODUÇÃO À CONFECÇÃO DE PRÓTESE DENTÁRIA

AULA 7

APRESENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO E ESPAÇO PARA DEBATES/ DÚVIDAS

Curso de Introdução à Maquiagem Cinematográfica ministrado por Mirella Oliveira no Sesc Belenzinho
Foto por Rafael Cruz – Ateliê e Estúdio Mirra

GARANTA SUA VAGA!


ENVIE UM E-MAIL PARA


maquiagemnocinema@gmail.com

DRAGS NO CINEMA: FILMES PARA VOCÊ SE INSPIRAR E UM CURSO BABADEIRO NA NOSSA SEDE EM SP

DRAGS NO CINEMA: FILMES PARA VOCÊ SE INSPIRAR E UM CURSO BABADEIRO NA NOSSA SEDE EM SP

Maquiagem no Cinema é o título do nosso portal e como falar deste assunto sem destacar as drags e suas “montações”?

Maquiagem, Cabelo, Peruca, Figurino, Atuação, Dublagem, Performance… Essas são apenas algumas das pluralidades de talentos que compõem o universo DRAG.

Confira o CURSO BABADEIRO que está rolando em nossa sede em SP e mais dicas de filmes selecionados por nossa equipe, que têm relação com a arte ou a maquiagem do movimento Drag!

(A seleção está apresentada em ordem alfabética decrescente, sem a pretensão de fazer um ranking com os filmes, fica a critério do leitor!)

Maaaaas, promete que vai ler o post completo??? Pois tem uma super novidade no final!

20. CONNIE E CARLA: AS RAINHAS DA NOITE

Resultado de imagem para connie e carla filme

19. DIVINAS DIVAS

Resultado de imagem para DIVINAS DIVAS filme

18. DZI CROQUETTES

Resultado de imagem para DZI CROQUETTES filme

17. ELVIS E MADONNA

Resultado de imagem para ELVIS E MADONA filme

16. FLAWLESS – NINGUÉM É PERFEITO

Resultado de imagem para FLAWLESS NINGUEM E PERFEITO filme

15. FURACÃO BIANCA

Resultado de imagem para FURACÃO BIANCA filme

14. KINKY BOOTS – FÁBRICA DE SONHOS

Resultado de imagem para KINKY BOOTS FABRICA DE SONHOS filme

13. OUTRAGEOUS

Resultado de imagem para outrageous filme

12. PARA WONG FOO OBRIGADA POR TUDO

Resultado de imagem para para wong foo filme

11. PARIS IS BURNING

Resultado de imagem para paris is burning

10. PINK FLAMINGOS

Resultado de imagem para pink flamingos filme

9. PRISCILLA, A RAINHA DO DESERTO

Resultado de imagem para priscilla a rainha do deserto filme

8. PROBLEMAS FEMININOS

Resultado de imagem para problemas femininos filme

7. ROGÉRIA

6. THE BIRDCAGE – A GAIOLA DAS LOUCAS

Resultado de imagem para the birdcage a gaiola das loucas filme

5. TOOTSIE

Resultado de imagem para tootsie filme

4. TUPINIQUEENS

Resultado de imagem para tupiniqueens filme

3. VICTOR OU VICTORIA

Resultado de imagem para victor ou victoria filme

2. VIVA

Resultado de imagem para viva 2016 filme

1.WIGSTOCK: THE MOVIE

Resultado de imagem para WIGSTOCK FILME

…E para fechar este post com chave de ouro, ou melhor, glitter, confira o CURSO DE MAQUIAGEM DRAG que está rolando em nossa sede em SP:

O ESPAÇO COLABORATIVO “ARTE COLLAB 112” EM PARCERIA COM O “ATELIÊ E ESTÚDIO MIRRA” E PROJETO “DESPERTE SUA DIVA” OFERECE CURSOS DA ARTE DRAG EM SÃO PAULO

QUEM SOMOS

O Arte Collab 112 está localizado no Alto da Lapa em SP e é um espaço colaborativo que abriga o “Ateliê e Estúdio Mirra”, unindo fotografia, maquiagem e cinema como meios de expressão artística. Além de ensaios e cursos, o espaço também integra empresa como “Maquiagem no Cinema”, “2001 Indica” e “First Makeup FX”.

DOCENTES

Mirella Oliveira

Maquiadora de cinema e publicidade há 7 anos, com formação em Psicologia e RH, fundadora do blog “Maquiagem no Cinema”, responsável pelo portal de curadoria, marketing e pesquisa audiovisual “2001 Indica” e sócia-proprietária do Ateliê e Estúdio MIRRA. Mirella ministra aulas de maquiagem em escolas como Sesc, Instituto de Cinema e em seu ateliê na Lapa (SP). Além de sua experiência com maquiagem, Mirella Oliveira está há mais de 20 anos na indústria audiovisual.

Gabriel Morgante

(Convidado Especial)

Morgante (Gabriel e Morgana) é ator, performer, comediante, drag queer e escritor.

Ator, escritor, comediante, performer, drag queer e criador de vídeo. Formado em Artes Dramáticas pelo SENAC e com diversas passagens em processos de pesquisa na Oficina Cultural Oswald de Andrade e SP Escola de Teatro, voltadas às práticas performativas, teatrais, dramatúrgicas, literárias, audiovisuais e suas multiderivações. Sua missão enquanto criador artístico e ser humano é, dar voz por meio da arte para as personagens da vida real que são cotidianamente estigmatizados pelos transtornos de personalidade e marginalizados por suas questões de gênero, corporalidade e sexualidade. Elx acredita em um mundo em que as pessoas possam ser livres e respeitadas pela identidade que melhor lhes representem sem sofrerem represálias de outrem por isso, tendo como base o respeito, a generosidade, a cultivação do amor-próprio e a valorização das individualidades do ser humano.

WORKSHOP: AUTOMAQUIAGEM DRAG

DESPERTE SUA DIVA E SE TORNE UMA DRAG COM DICAS PROFISSIONAIS E TÉCNICAS DE MAQUIAGEM PARA FOTO E VÍDEO

CURSO + ENSAIO FOTOGRÁFICO PROFISSIONAL

À quem se destina: Apesar de ser uma atividade melhor aproveitada para quem tem alguma experiência com maquiagem, as aulas são abertas para quaisquer interessados e entusiastas da área.

Período: 1 dia (conforme disponibilidade do cronograma)

Carga Horária: 10h às 16h (1h de intervalor)

Local: Rua Dr. José Elias, 141 – Estúdio 112 – Alto da Lapa (estacionamento administrado pela Netpark, consulte valores)

Condições de pagamento: (à vista, cartão de crédito ou débito. Consulte condições de parcelamento)

Recomendação etária: 16 anos

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DRAG QUEEN

DESPERTE OUTRAS DIVAS: TÉCNICAS E PROCEDIMENTOS ARTÍSTICOS PARA UMA PRODUÇÃO PROFISSIONAL

CURSO + ENSAIO FOTOGRÁFICO PROFISSIONAL

À quem se destina: Maquiadores e pessoas que se interessam em aperfeiçoar suas técnicas artísticas.

Data: 2 dias (conforme disponibilidade do cronograma)

Carga Horária: 10h às 16h (1h de intervalor)

Local: Rua Dr. José Elias, 141 – Estúdio 112 – Alto da Lapa (estacionamento administrado pela Netpark, consulte valores)

Condições de pagamento: (à vista, cartão de crédito ou débito. Consulte condições de parcelamento)

Recomendação etária: 16 anos

PROMOÇÃO: Indique um amigo para o curso e ganhe 30% de desconto!
*O amigo deverá fazer o curso na mesma data do seu agendamento.

Para consultar o valor do investimento dos cursos, envie um e-mail para: maquiagemnocinema@gmail.com

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

TÉCNICAS DE LUZ E SOMBRA

MAQUIAGEM PARA FOTO E VÍDEO

DIFERENÇAS ENTRE AS MAQUIAGENS À BASE DE ÁGUA, ÓLEO OU ÁLCOOL

CONTORNO

CAMUFLAGEM DE SOBRANCELHAS

COLORIMETRIA

VISAGISMO

CORREÇÕES

SOMBRAS

PERUCAS

Materiais necessários:

– Lenço umedecido

– Lenço de papel

– Demaquilante (líquido ou lenço, qualquer marca, livre escolha)

– Álcool (1 vidro pequeno)

– Pincéis (1 de cada, qualquer marca/tipo): Língua de gato, pincel de pó, pincel de

batom)

– Tesourinha (qualquer uma)

– Toalha de rosto (qualquer cor, que possa sujar)

– Grampos (20 unidades)

– Base (3 tonalidades: Uma da sua cor, uma mais clara e uma mais escura)

– Cílios postiços

– Cola Pritt

– Pente muito fino (como aqueles para tirar piolho que vendem em farmácia)

– máscara de cílios

– Clown Branco

*Se o aluno tiver um kit completo de maquiagem – e peruca, pode trazer em sua maleta! Quanto mais melhor!

DESPERTE SUA DRAG:

Além dos cursos, realizamos a imersão “DESPERTE SUA DRAG”: Montação, Dicas de Performance e Ensaio Fotográfico Profissional realizados por nossa equipe.

Entre em contato para mais informações:

E-mail: maquiagemnocinema@gmail.com

Whatsapp: 11-9-9485-9857