Categoria: Entrevistas

Bate Papo sobre caracterização e efeitos realistas no cinema de horror | Mari Figueiredo

Bate Papo sobre caracterização e efeitos realistas no cinema de horror | Mari Figueiredo

Maquiagem no Cinema, em parceria com o Instituto de Cinema entrevistou Mari Figueiredo, Caracterizadora e maquiadora de efeitos realistas.

O Instituto de Cinema, em parceria com a 2001 Indica e o blog Maquiagem no Cinema, promoveu um bate papo com as maquiadoras Mari Figueiredo e Mirella Oliveira, através de uma Live no Instagram do InC.

Essa live fez parte da programação especial do Mês do Horror no INC, e nossas convidadas foram especialmente chamadas para conversar um pouco com a gente sobre a caracterização e efeitos realistas no cinema de horror.

Mari Figueiredo é caracterizadora e maquiadora de efeitos realistas. Assinou filmes como “Mais Forte que o Mundo”, “Los Silêncios”, “Mormaço” e “Um Animal Amarelo”. Além disso, é ganhadora de dois prêmios Avon de Audiovisual.

Mirella é a responsável pelo portal de curadoria, marketing e pesquisa audiovisual “2001 Indica”, fundadora do portal de noticias e informações sobre maquiagem cinematográfica “Maquiagem no cinema” e sócia-proprietária do Ateliê e Estúdio MIRRA, espaço colaborativo que une fotografia, maquiagem e cinema como meios de expressão artistíca. Além de ser maquiadora de cinema e publicidade há 6 anos, Mirella trabalha há mais de 20 anos na indústria audiovisual.

Se você é iniciante nos efeitos, maquiador, caracterizador, simpatizante, cineasta ou até investidor, não perca o bate papo esclarecedor sobre essa profissão! Confira:


Makeup in Film: Renata Vilela´s full interview

Makeup in Film: Renata Vilela´s full interview

Renata Vilela kindly accepted the invitation to talk to our team and it was an unforgettable journey. So many good stories can be discoverd behind the scenes! And that only happens when one soul touches another soul … How many times dont´n we waste magical moments simply because we don´t see who is on our side? Or do we, as makeup artists, work with someone and forget that behind a beautiful face there can be a touching story? That’s why I love film industry, I love the relationships that set has given me. I believe this is how we can change this world, investing in human relationships, and that goes far beyond makeup, doesn’t it? I was moved by Renata’s story and I hope you enjoy it!

Maquiagem no Cinema (Makeup in Film): Have you always dreamed of being an actress? How did you start in the business?

I never dreamed of being an actress, actually. Me, my sisters and my parents came from a small city of São Paulo State (Barretos). My first contact with art was through jazz ballet classes. My mother thought it was important to put us in contact with art and transform our reality, because we lived in a very small apartment, in a not very nice place … My first teacher was Félix de Assis, an incredible teacher, graduated from the Municipal School of Ballet. He encouraged my mother… “Your daughters need to take classical ballet classes, because they have a perfect body for that…” (Look at that human look, right? It was beyond the skin color …) We could see the sacrifice he made to be in art, a huge desire to see those students challenging themselves… And then my mother took his advice and registered us to make an audition at the Municipal Ballet School, encouraged by him.

Once I got there, I didn´t feel a good environment… We didn’t have enough money to buy the appropriate items for the class (socks, sneakers, hairnet, etc.). I am the youngest (my older sisters are twins), and their schedule wasn´t the same. I remember wearing a white pink polka dot swimsuit, my mom put a ribbon on my hair. My shoes weren´t appropriated. My mom was unaware of this world and we also had no money, she did what she could… The important thing was to dance! I remember being isolated from all the other girls, I was the only black girl. Everyone looked at me as if I were an “ET”… I remember a board of teachers with a very rigid expression – I went through an assessment of potentialities (articulation, elasticity, strength, flexibility ), and I remember them being shocked by my physical structure, my feet, my lines. And they whispered …

At a certain moment they asked for a free dance… I saw that some girls already had some kind of experience. I believe they were in 1st or 2nd year of ballet school. There was no lightness in the air, no sympathy (classical ballet was like that at that time, the method was even more rigid as it is tody). Than the girls waltzed… And I danced anything! I was already wearing the polka dot swimsuit and what came to mind was that dancer from the music boxes (I didn’t even have that, we were poor, I remember we saw it in movies). I remember it and started spining, round and round and round, like a pawn!

I grew up inspired by lots of music, art, dance… My mother always said that we had to transform our reality. We had a sense of where we were standing, what was possible and where she was going with this thought.

Maquiagem no Cinema (Makeup in Film): Tell us a little more about your background and other challenges you faced from that moment on.

We used to watch a dance show on TV Cultura, and I was very impressed by one particular group. I did a research on those old phone books, found them and asked my mother to take me. She managed to get out of work on time, and took me there. It was an elite school. Once we got there, the teacher welcomed me very well, she was very kind. The students looked surprised, again, I was the only black girl. I remember that by the end of the class the teacher came to talk to me, and everyone was around us, giving me “that” look. The teacher continued talking about what the method was like, what I needed to learn, as the language was French. And, with a lot of patience, dedication and love, she managed to convince me and my mom that I could go on. As we left the school that day, I remember I said to my mother, “I´m gonna make it”. And she also said: “You will, I don’t know how I’m going to pay, but we will find a way”. Then we did it. With a lot of sacrifice, love and struggle, we made it!

Maquiagem no Cinema (Makeup in Film): What gave you the strength to go on?

I managed to study the Royal method of graduation from Classical Ballet… Then one day we went to see a show in the Anhangabaú Valley, with several companies (Black Swan, Ballet of the City of SP, República da Dança) and at the end, The Ballet Stagium presents a performance called “Saudades Elis e Batucada“, a real samba… so beautiful! Choreographed with the classical ballet technique… That hit me! Ancestry! Oh, it was so intense, me and my sisters were astonished… Than we see a black woman, solo dancer, arriving. Her name is Áurea Ferreira. We looked at each other and said: It is possible! I want to be in this Ballet! This happened on a weekend day… On Monday we were already there, at the Ballet Stagium… My sisters and I were very well welcomed. We had a long journey of study and dedication in this school … Geralda Bezerra de Araújo taught me all about Brazilian culture, discipline and dance in general. She gave me a new sight about dance, a humanized way to see it. At that time I was in two schools, we struggled to pay for it. But my mother was really happy, she was definitely fulfilled!

She kept saying: “Transform your reality! I couldn´t change mine, but you will change yours!” And our love for Ballet kept growing. Only one of my sisters continued. We joined many festivals and then we met a master called Isaura Gusman. She came from the National Ballet of Cuba. She taught at the Black Swan and Ballet Stagium School. It was amazing! A black female teacher (my first Jazz Ballet teacher was also black, but male). I was fortunate to have such strong references through dance. She brought a new meaning to my life, for being woman and black! She ended up leaving Ballet Stagium and opened up the Company Cumbre Of Dance, and I was there for 7 years.

Maquiagem no Cinema (Makeup in Film): Tell us about your experience in Musical Theater.

In 2004 I had a chance to be in an audition for Broadway´s Chicago version in Brazil, which was a very remarkable moment in my life!

One week of tests, several workshops, a completely new method of dance (Bob Fosse). Gary Christ, who was a disciple of Bob Fosse, was presented to us, he was in Broadway for a long time … I wasn´t approved, but I remember was amazed by me. I remember bringing a lot of personality to my performance. When we are in an audition we have to be with a good energy, we have to be prepared, so thay can see that it is possible to characterize this persona. And I remember it was very remarkable … I watched the movie, I was really prepared andsure I would be approved, but it didn´t happen.

And then, on a beautiful day, after 2 months of the musical’s debut, they called me asked me for a new audition (a girl left), and I was finally approved! That was a milestone in my career! That’s when I entered the professional world of art. I don’t even know if it was a dream coming true… althoughI was wishing so bad to enter that musical. I did dream about being a dancer. But being an actress and a singer was such a distant thing for me!

Before that, I was in fashion business, it wasn´t easy. The historical process, structural racism, the limitation was huge and still is. Today we can see a transformation starting.

So, that’s how I started in entertainment: Through Ballet! The test was singing and I had never had a class… I performed and I was applauded! I thought, “My God, do I have this kind of talent?” I was a stunned. “Was I applauded? Really?” I was kind of unaware of where I was stepping, of my talent.

Renata Vilela, Katia Barros and Claudia Raia in the Muscial “Sweet Charity Brazil”

Then, I realized I needed to improve myself. I started being approved in many auditions, one after another. My second musical was Sweet Charity, with Cláudia Raia. I was one of the main characters (me and Kátia Barros). The need to improve, to get in tune with the industry, was even more clear for me. I used to teach ballet, didn’t make enough money, and had no sponsor and realized I had to make an effort.

After Sweet Charity, I had the opportunity to be in “Os Produtores” (The Producers), by Miguel Fallabella, and soon after that I was invited to be in a TV Globo soap opera, written by Miguel and directed by Mauro Mendonça … The doors were opening for me. It wasn´t easy, it takes devotion – and money. But my mom´s energy was always on my mind (“You can do it, go, change your reality, embrace everything that comes from good, that will make you grow, and make you feel you belong”).

Than I had my first opportunity in TV. It was a new thing for me. I took theater and film acting classes. I had no idea how to put myself in front of the camera. But I had talent. Miguel saw it! And that´s why he offered me this part. This is how I felt working on TV: “Never make a mistake, you’re black”. It always seemed like the last opportunity, one shot. I couldn’t face it as one more experience. No time can be wasted. Some were good experiences, but some other frustrated me. That´s how it works. Those were the experiences that made me want to improve myself. TV was an element in addition to dancing, singing, acting … Then it started to awaken other interests: There are several paths in art to follow!


Renata Vilela acting on “OFICINA DE TV E CINEMA – TAKE A TAKE (Separação)”

Maquiagem no Cinema (Makeup in Film): Was it when you realized you had succeed in the career?

That´s when it became my livelihood. I’ve been in Musicals for 15 years now. And I love it, it’s a challenge. If an actor has a chance, he has to try it, because it is a place of the priesthood, discipline, care. We work with a franchise scheme here in Brazil, musicals coming from foreign countries. We have to deal with the competition, the standards… They are very concerned with building brand loyalty. Adaptations are not welcome, the profile is strict.


Musical “Ombela – A Origem das Chuvas” awarded by CBTIJ

Another great experience I had with Broadway was “The Lion King”. It was a milestone in my life. We started in 2013 and we were on for 2 years. Eight performances a week! Recognition, ancestry, a new meaning to our structures, our values. I met César Melo, who became my husband. He is an actor, singer, writer. We always encourage each other, we are always studying, developing projects. When we have the opportunity, we go to auditions together, we are always giving support to each other.


Character: “Sarabi”
Musical “LION KING” (Brazil)

Maquiagem no Cinema (Makeup in Film): Now, tell us a little more about your experience in film industry.

After soap operas, I started working on a feature film, which led me to develop such a passion for being on set. The way it is made, the dedication of all the professionals, the sensitivity within a direction, all of this touched me. I recently participated in two Netflix shows. One of them was “Omniscient”, which I had the opportunity to see a set directed by women, and scripted by a black woman! Shu Maria. This made me very happy. We feel safe, we feel we belong.

Maquiagem no Cinema (Makeup in Film): What have you enjoyed as a viewer?

Cinema has always been part of our life. My sister Rose had a dream to be a filmmaker. We used to rent movies every Friday, at a rental store in Copan. We used to watch all kind of films: Blockbusters, romance, cult movies… We used to go to the old Espaço Unibanco, Cine Sesc (there is where I watched “Death in Venice“, “Claire’s Knee“, and other films by Éric Rohmer), Cultural Center (where I watched “The Enigma of Kaspar Hauser”). At this time, I got to know, through my sister, Kieślowski’s work (Krzysztof), she was a fan and we used to watch his trilogy all the time.

Today I am focused on other issues. With maturity, engagement, you realize that you need to open up your perception of diversity, even more. Thanks to these new platforms, we are getting in touch with other worlds.

This is what I also think about Brazilian cinema. As a teenager I was not as interested as I am today. It gained greater visibility for my generation and the future ones, due to the quality of the stories, the scripts, which have become increasingly interesting. I see fantastic directors coming up. For me it feels like I´m being awakened to this new reality. It is good to know that our cinema has had more investments. And that goes for the Tv Shows as well. My favorite Brazilian works of this new generation are: Central do Brasil, Aquarius, Brother, Entre Nós, Irmã Dulce, Sequestro Lightning, Great Mystical Circus, Simonal.

My favorite movies at actual times are Moonlight, Rafiki, Family Matters, Parasite, Queen of Katwe, Timbuktu. I’ve also been following Indian cinema a lot. Through his filmography I learned, for example, about the struggle to find bathrooms in India, and I think: How cinema allows us to go so far and plays an important political and social role!

Some series have also impacted me: “Scandal”, which has Kerry Washington as the protagonist. It filled my eyes. It made me realize that it is possible to make cinema. When I heard that the director was Shonda Rhimes, I was very happy!

“Orange is the New Black” touched me by the diversity and power of those women. “How to Get Away With Murder” too, who is this woman? Viola Davis in such a mysterious character, that makes us reflect on so many issues!

Today I’m changing the way I choose a movie, it has to correspond to my career, even for me to understand what I want for myself, what is possible, what I aspire to as an artist. For besides the profession, a social function. Especially in these days it is very important to think about the space we want to occupy.

Maquiagem no Cinema (Makeup in Film): Speaking of social movements …

I’ve been watching a lot of Tv shows with my husband. And we have noticed an approximation of that reality. That look, you know? I am delighted with the subtleties of these performances, these actors … And ´m each day more passionate about it. Because it is a very big challenge. This brings you to your reality, at the same time that it creates this illusion and it is a great idea because it ends up bringing hooks for other seasons, these nuances, these silences, these times, these breaths, these subtexts that we are always in doubt… So, I want to be whenever I can on a film set.

And speaking of social movements, I saw this transformation right here, at home. My husband starred in two features. This gave us such a great motivation, it gave us hope! A strength to move on, to understand that this is the place we have to go, humanize our characters, bring stories that encourage people to understand that we can make it. Of course, there is a whole path, we live in very different realities, in terms of Brazil. But our generation is there, making things happen. I am grateful to know that this is a daily result of struggles, fights, and resilience. This is the word, resilience.

Maquiagem no Cinema (Makeup in Film): How was (and is) your experience with commercials?

My first one was in 1999/2000, for Mac Donalds, and then another one in 2003/2004, at a time that I needed, I was taking ballet class, company, it was a time of lean cows… I did a sequence of films for Pernambucanas, it was really cool. There was one that I will never forget. It was in 2011, at a time when I was very questioning, curious, seeker, I was in therapy (I still do), I was in a moment of many discoveries… It was a commercial for a cosmetics brand, and it was very special . The test was special. And it coincided with the audition for the soap opera. I was edited but I was stuck with TV Globo’s response, and I almost gave up on the commercial and the director was freaking out… I was just edited, and I said to the production: “Ask the director to find someone else”. It was really a very special test, I really expressed myself in a good way. The director was so enthusiastic and found no one else. I remember that he wanted to make two contracts, one for when the soap opera premiered, another if I was not approved. It was a very respectful commercial, the whole team, direction, wonderful energy…

What catches me sometimes is not even production, it is the customer, you know? Often, the client cannot understand that we are at a new moment in history. We always have to be prepared, I don’t mean armed, but prepared for the place you will occupy, as black women. We have not reached the point where our talent, competence, capacity counts. In each project, you discover how important it is to recognize it through maturity, the paths, take ownership of knowledge and know how to express yourself, always as long as it is respected too, right?

Makeup in Cinema: Talk about being a woman and black in Brazil

Feminism is a very broad issue, it has many different perspectives, we talk about access, right to life, mortality rate, violence rates, education and there are many important and striking issues. For example, the brutal murder of Congress woman Marielle Franco, voices broke out and we realized that it is a struggle. There is no setback, the “nobody lets go of anyone’s hand” and #blacklivesmatter are strong movements. And me, as an artist, am always here thanking my ancestors for life, for the opportunity, for understanding, for growing as much as I can. Honor and truly honor. I understand that my movement in film industry is a political movement, it is the movement of society. The pyramid shudders, you know? And there is something very important that I think – that is independent of belief – we come from a source, universal source. I have always believed that we are perfect, only at this stage of consciousness, not everyone has the capacity to perceive. To understand, we need to give up many things that have been imposed and valued at the highest level. We need to understand that we are able to create our reality, as we come from a creative source. Art represents this macrocosm a little, and I believe that we are capable, yes, and I am increasingly aware of my purpose as an artist, to be able to create, inspire and give a little hope. Art also dignifies us. In quarantine, my husband and I have been making videos singing. We had no pretensions whatsoever, but this is creating a very cool force, bringing us a little peace, a little air. The pandemic speaks so much about issue of breathing. The amount of information, living in isolation, the apparent social inequalities, all of this makes us create alternatives so that we can strengthen ourselves, and try to save ourselves. We hope to be more and more with that intention, since we need to go though all of this with mental, physical and moral sanity and that we can also transmit this creative energy, this divine power that everyone can access one day. I’ve been thinking about it a lot.

https://www.instagram.com/tv/B_dn_Zansaj/?utm_source=ig_web_copy_link

Maquiagem no Cinema (Makeup in Film): What are your projects and what is your vision for a future after this pandemic?

I was working a lot at the beginning of this year, quoted for a cool project on TV (Stop pandemic! LOL)… Now we don’t know when we’ll be back… Besides, my husband and I are going to release a single and I’m going to direct our video… We are in the process of creating… And I have 3 more projects for when this is over, but I still can’t talk… Wait for news!

That’s it, let’s feed our hope, daily, there are days when we’re not well, and we have to be patient.

Finally, I hope that all this mobilization that is taking place, especially at this time of the pandemic, this awareness and engagement with the black cause, I hope it does not weaken, that it is not just a fad, that is not lost sight of.

I appreciate the opportunity to share my story and that I can contribute and inspire more people through my experiences!

Maquiagem no Cinema entrevista a atriz Renata Vilela

Maquiagem no Cinema entrevista a atriz Renata Vilela

Renata Vilela gentilmente aceitou o convite de conceder uma entrevista para o Maquiagem no Cinema e foi uma jornada inesquecível. Vejam a riqueza que um encontro de camarim proporciona. E isso só acontece quando uma alma toca outra alma… Quantas vezes não desperdiçamos momentos mágicos simplesmente pelo fato de não enxergarmos quem está do nosso lado? Ou maquiamos uma pessoa e esquecemos que por trás de um rosto lindo tem uma história?
Por isso eu amo o cinema, amo as relações que o audiovisual me proporcionou. Acredito que só assim podemos mudar esse mundo, investindo nas relações humanas, e isso vai muito além da maquiagem, não é mesmo?
Eu me emocionei com a história da Renata. E divido tudo aqui com vocês!

Por Mirella Oliveira

Maquiagem no Cinema: Sempre sonhou em ser atriz? Como começou?

Renata Vilela: Eu nunca sonhei em ser atriz, na verdade. Eu, minhas irmãs e meus pais viemos do interior de Sp (Barretos). Meu primeiro contato com a arte foi através de aulas de jazz. Minha mãe achava importante termos contato com a arte e transformarmos nossa realidade, pois vivíamos num apartamento muito pequeno, num lugar não muito bacana… Meu primeiro professor foi Félix de Assis, um professor incrível, formado pela Escola Municipal de Bailado. Ele estimulou minha mãe… Incentivou… “Suas filhas precisam fazer aula de balé clássico, pois elas têm um físico perfeito para isso…” (Olha que olhar humano, né? Estava além da cor da pele…) E víamos o sacrifício deste professor em lidar com a arte. Tenho uma vaga noção, eu era muito pequena mas lembro bem do sacrifício dele. Daquela vontade de ver aquelas alunas se desafiando… E aí minha mãe colocou a gente para fazer aquela audição na Escola Municipal de Bailados, que ele tanto incentivou…
Cheguei lá, um ambiente não muito agradável… Não tínhamos dinheiro para comprar os artigos adequados para a aula (meia, sapatilha, rede no cabelo, etc).
Eu sou caçula (minhas irmãs mais velhas são gêmeas), eu estava em outro nível e minha audição era num outro dia. Lembro de estar de maiô branco de bolinha rosa, minha mãe colocou uma fita na minha cabeça, e eu estava com uma sapatilha que não tinha a ver com a sapatilha de balé, não era adequada. Como minha mãe não tinha conhecimento e também não tínhamos dinheiro, ela colocou o que era possível… O importante era dançar!
E eu me lembro de ser isolada na sala de espera por todas as meninas, eu era a única negra. Todas me olhavam como se eu fosse um “ET”… Chegando na sala da audição – me lembro de uma banca de professores com a expressão bem rígida – e lembro de uma parte que era uma avaliação de potencialidades (articulação, elasticidade, força, flexibilidade), e lembro deles ficarem chocados com meu físico, meus pés, minhas linhas. E cochichavam…
Em um determinado momento da audição tinha uma dança livre, era uma valsa… Eu via que algumas meninas tinham já alguma experiência. Eu acredito que já era uma audição de primeiro ou segundo ano de balé. Não tinha uma leveza no ar, uma simpatia (realmente o balé clássico era assim naquela época, hoje mudou muito, mas era uma coisa meio militar, o método era ainda mais rígido). E lembro de um momento livre da audição, em que as meninas dançaram valsa… E eu dancei qualquer coisa! Eu já estava de maiô de bolinha e o que me veio na mente foi aquela bailarina das caixinhas de música (eu nem tinha isso, éramos pobres, lembro que víamos em filmes). Lembro que ela girava, girava, girava, e foi o que fiz! Fiquei girando feito um peão nesse momento livre.
E aí, claro, não passei… Minhas irmãs também passaram por um outro processo, também não foram aprovadas, também se sentiram hostilizadas… Mas isso não nos desmotivou. Pelo contrário, minha mãe buscou uma força dentro dela, sempre dizendo: “Vocês vão continuar, de um jeito ou de outro, não importa! Vou dar um jeito nisso!”
E em nossa casa sempre respirou-se muita música, arte, dança… Minha mãe sempre dizia que tínhamos que transformar a nossa realidade. Nós tínhamos noção de onde estávamos pisando, do que era possível e onde ela queria chegar com isso.

Maquiagem no Cinema: Fale um pouco mais sobre sua formação e outros desafios que enfrentou a partir desse momento.

Renata Vilela: Assistíamos um programa de dança na TV Cultura, e me impressionava muito algumas escolas… Só que uma me saltava os olhos. Fui procurar na lista telefônica, encontrei e pedi para minha mãe me levar. Ela conseguiu dar um jeito no trabalho dela e me levou. Era uma escola elitizada. Era o segundo ano de balé, pela minha idade e meu físico. Chegando lá a professora me recebeu super bem e foi super cuidadosa. As alunas, claro, ficaram surpresas… Eu, a única negra. Lembro que no final da aula a professora me chamou num canto, e todas em volta, olhando para mim (novamente) como se eu fosse um “ET”. A professora continuou falando sobre como era o método, o que eu precisava aprender, pois a língua era francesa. E ela com muita paciência, dedicação e amor conseguiu me convencer e convencer minha mãe também de que eu poderia continuar. Saímos de lá, lembro que falei para minha mãe, “Eu vou fazer”. E ela também disse: “Você vai fazer, não sei como vou pagar, mas vamos dar um jeito”. Aí conseguimos com muito sacrifício, muito amor, muita luta!

Maquiagem no Cinema: Neste início da carreira, além de todos os desafios, o que te tocou e te deu forças para continuar?

Renata Vilela: Consegui estudar o método Royal de graduação do Balé Clássico… Aí um belo dia fomos assistir um espetáculo no Vale do Anhangabaú, com várias companhias (Cisne Negro, Balé da Cidade de SP, República da Dança) e no fina,l o Ballet Stagium apresenta um Balé chamado “Saudades Elis e Batucada“, um sambão… lindo! Coreografado com técnica de balé clássico… Aí aquilo me pegou num lugar! A ancestralidade! Ahhh, aquilo deu um brilho tão intenso pra mim, pra minhas irmãs… Até que chega uma bailarina solando, negra, Áurea Ferreira, e aí a gente olhou uma pra outra e disse: É possível! Eu quero entrar nesse Balé! Lembro que isso foi num final de semana… Na segunda-feir,a já estávamos lá no Ballet Stagium… Eu e minhas irmãs fomos super bem recebidas. Tivemos, lá, uma jornada longa de estudos, dedicação.. com Geralda Bezerra de Araújo, com quem tive um aprendizado muito rico sobre cultura brasileira, disciplina, danças no geral. Um outro olhar sobre a dança, um olhar humano. Nesse momento eu estava em duas escolas, foi uma loucura para pagar. Mas eu via minha mãe feliz, realizada! O lema dela continuava “transforme sua realidade! A minha, eu não consegui, mas, a de vocês é possível!” E foi assim, o amor por esse Balé. Continuamos só eu e uma das minhas irmãs. Participamos de festivais e depois teve um encontro lindo, quando entrou uma mestra, a Isaura Gusman, que veio do Balé Nacional de Cuba. Deu aulas no Cisne Negro e Ballet Stagium. Esse período foi incrível, foi um reconhecimento tão grande. Uma professora negra (meu professor de Jazz também era negro). Eu tive a sorte de ter referências muito fortes na dança. E ela deu um novo significado para mim, por ser mulher e negra. Ela acabou saindo do Ballet Stagium e formando a Companhia Cumbre de Dança, da qual eu fiz parte por 7 anos.

Maquiagem no Cinema: Foi depois disso que você entrou nos grandes musicais?

Renata Vilela: Sim. Em 2004 tive a chance de participar de uma audição para o Chicago da Broadway, que foi um momento muito marcante em minha vida!
Uma semana de testes, workshop, um método diferente de dança (método Bob Fosse). Veio um americano pra cá, Gary Christ, que foi discípulo de Bob Fosse, dançou muito tempo na Broadway… Eu não passei, mas me lembro do encantamento dele por mim. Lembro de estar com muita personalidade ali! Quando fazemos um teste temos que estar com essa energia, essa preparação toda, para verem que é possível caracterizar esta persona, né? E lembro de ter sido muito marcante… Assisti o filme, e pensava como eu gostaria de ter passado, e eu realmente acreditava que tinha tudo pra passar!
E aí um belo dia, depois de 2 meses da estreia do musical, me chamaram para um novo teste (uma menina saiu), e eu passei! Esse foi um marco na minha carreira! Foi aí que eu entrei no mundo profissional da arte. Eu meio que não sabia que mercado era aquele, onde eu estava entrando. Eu nem sei dizer se estava realizando um sonho… para o momento era, pois eu tinha o desejo de entrar naquele musical. E eu tinha o sonho de ser bailarina, mas atriz e cantora, era uma coisa tão distante!
Antes disso, me dediquei a carreira de modelo, tentei, não foi fácil. Sabemos que com todo esse processo histórico, o racismo estrutural, a limitação era muito grande e ainda é. Hoje estamos vendo uma transformação.
E foi assim que entrei nesse mercado, através do Balé. O teste teve canto e eu nunca tinha tido uma aula… Performei e fui aplaudida! Eu pensei: “Meu Deus, eu tenho esse talento?” Saí meio embasbacada do teste. “Eu fui aplaudida? Como assim?” Meio sem noção de onde estava pisando, do meu talento.


Renata Vilela, Katia Barros e Claudia Raia no Musical “Sweet Charity”

Maquiagem no Cinema: E depois disso você engatou em outros musicais?

Renata Vilela: Sim. Aí entrei nesse mercado e vi que precisava aperfeiçoar. Foram surgindo outros testes, fui sendo aprovada… Meu segundo musical foi Sweet Charity, com Cláudia Raia, fui uma das principais (eu e a Kátia Barros), e aí a necessidade de aprimorar, se afinar com esse mercado, ficou cada vez mais clara pra mim. Você precisa se dedicar! E a gente vem de uma defasagem financeira… Eu dava aula de balé, ganhava muito pouco, não ganhava na companhia, pois não tinha patrocinador.

Do Sweet Charity, surgiu a oportunidade de fazer Os Produtores, de Miguel Fallabella, e o convite para a novela na TV Globo, escrita por Miguel e dirigida por Mauro Mendonça… Eu fui simplesmente entrando, as portas foram se abrindo pra mim. Não foi fácil, a gente precisa se dedicar, precisa ter grana pra isso… Mas eu fui muito com essa energia da minha mãe (“Você consegue, vai, transforma, abraça tudo o que vier de bom, que vai fazer você se desenvolver, se sentir parte desse mundo”). E então pude experienciar a televisão. Foi um momento muito diferente pra mim, por não ter tido contato antes. Fiz aulas de teatro livre do grupo TAPA e tive um worhshop de câmera. Eu não tinha noção de como me colocar diante da câmera. Mas tinha talento. Tanto que o Miguel viu isso! E me convidou… A impressão que eu tive ao fazer televisão era assim: “Nunca erre, você é negra”. Parecia a última oportunidade, tinha que agarrar como a última, não podia encarar como uma experiência. Não se perde tempo dentro de uma emissora como esta. Enfim, tive experiências muito incríveis, e outras que me frustraram… Experiências que me deram mais vontade de aprimoramento. A TV foi um elemento além de dançar, cantar, atuar… Aí começou a despertar outros interesses: Tem vários caminhos na arte para seguir!

Renata Vilela atuando, na OFICINA DE TV E CINEMA TAKE A TAKE (Separação)

Maquiagem no Cinema: Quando sentiu um amadurecimento nesta carreira?

Renata Vilela: Foi aí que o mercado de musicais virou meu sustento. Estou nele há 15 anos. E amo fazer teatro musical, acho que é um desafio. Se um ator tiver uma possibilidade, tem que se lançar, porque é um lugar do sacerdócio, disciplina, cuidado. Trabalhamos com esquema franquia aqui no Brasil, musicais vindos de fora. Temos que lidar com a competição, os perfis… Eles se preocupam muito em fidelizar as marcas. Adaptações não são bem vindas, o perfil é rigoroso. Seguem essa partitura, essa regra.

Agora estamos fazendo musicais biográficos aqui no Brasil, e também escrevendo. Estão surgindo muitos! Fiz o “Ombela – A Origem das Chuvas“, que foi um musical muito importante pra mim, para meu auto-conhecimento. Musical infantil dirigido por Arlindo Lopes. Tive uma experiência fantástica com ancestralidade, cultura africana, cultura brasileira. Foi um presente ter feito esse musical o ano passado. Ganhamos vários prêmios… Sou muita grata a esse universo todo que estou, e sempre acho que existe espaço pro maior, acho que é sempre possível. Eu como mulher, negra, sempre tenho muita esperança, quando estou realizando um projeto como esses. Meu ano começou a brilhar em relação a isso.


Musical “Ombela – A Origem das Chuvas” premiado pelo CBTIJ de Teatro

Outra grande experiência que tive com a Broadway foi “O Rei Leão”. Foi um marco na minha vida. Começamos em 2013 e ficamos dois anos em cartaz. Eram oito apresentações por semana! Reconhecimento, ancestralidade, foi um momento de ressignificar nossas estruturas, nossos valores. Conheci César Melo, meu marido, ator, cantor, escritor. Sempre incentivamos um ao outro, a gente tá sempre estudando, desenvolvendo projetos. Quando tem a oportunidade, fazemos teste juntos, estamos sempre dando força um pro outro.


Personagem “Sarabi”
Musical “LION KING” Brasil

Maquiagem no Cinema: Agora, conte-nos um pouco mais sobre sua experiência no audiovisual.

Renata Vilela: Contei um pouco de minha experiência em telenovelas, foi maravilhosa, só acho que precisamos ter mais oportunidades. Até porque a ela nos permite explorar nossas capacidades, isso é claro. Mas essa coisa da oportunidade precisa ser mudada o mais rápido possível. Está acontecendo um movimento interessante, e a gente também tem que entender que isso é fruto da luta dos movimentos sociais.

Em 2017 eu comecei a trabalhar em longa-metragem, o que me levou à paixão pelo set de filmagem. A forma como é feita, a dedicação de todos os profissionais, a sensibilidade dentro de uma direção me provocou bastante. Recentemente participei de duas séries. Uma delas foi “Onisciente”, a qual tive a oportunidade de ver um set dirigido por mulheres, e ainda roteirizado por uma mulher negra! Shu Maria. Isso me deixou muito feliz. A gente se sente seguro. A sensação é de estar no lugar certo: Quando falamos de transformação, quando ocupamos esses lugares de fato.

Maquiagem no Cinema: O que você tem curtido como espectadora?

Renata Vilela: O cinema sempre fez parte da nossa vida. Minha irmã Rose tinha o sonho de ser cineasta. Alugávamos filmes toda sexta-feira, numa locadora no Copan e lá a gente já diversificava bastante. Assistíamos de tudo: Blockbusters, filmes de amor, sessão da tarde, filmes cabeça, existencialistas. Frequentávamos o antigo Espaço Unibanco, as Mostras do Cine Sesc (lá assisti “Morte em Veneza“, “O Joelho de Claire“, e outros filmes de Éric Rohmer), Centro Cultural (onde assisti “O Enigma de Kaspar Hauser”, que me marcou muito). Nesta época, conheci através da minha irmã, o cinema de Kieślowski (Krzysztof), ela era fã e vivíamos assistindo sua trilogia em casa.

Hoje eu já estou voltada para outras questões. Com a maturidade, o engajamento, você percebe que precisa abrir ainda mais a sua percepção em relação à diversidade. Graças a essas novas plataformas, estamos entrando em contato com outros universos.

A mesma reflexão faço com relação ao cinema brasileiro. Na adolescência eu não tinha tanto interesse como tenho hoje. O cinema nacional ganhou uma visibilidade maior para minha geração e as futuras, pela qualidade das histórias, os roteiros, que têm sido cada vez mais interessantes. Vejo diretores fantásticos surgindo. Para mim está sendo um despertar para essa nova realidade. É bom saber que nosso cinema tem tido mais investimentos. E isso vale para as séries também. As minhas obras brasileiras preferidas desta nova geração são: Central do Brasil, Aquarius, Brother, Entre Nós, Irmã Dulce, Sequestro Relâmpago, Grande Circo Místico, Simonal.

Minhas referências internacionais mais atuais têm filmes como Moonlight, Rafiki, Assunto de Família, Parasita, Rainha do Katwe, Timbuktu. Também ando acompanhando bastante o cinema indiano. Através de sua filmografia soube, por exemplo, da questão da luta por banheiros na Índia, e penso: Como o cinema nos permite ir tão longe e desempenha um importante papel político e social!

Algumas séries também têm me impactado: “Scandal“, que tem Kerry Washington como protagonista. Isso me encheu os olhos. Me fez enxergar que é possível fazer cinema. Quando soube que a diretora era Shonda Rhimes, fiquei muito feliz!

Orange is the New Black” me encantou pela diversidade e potência daquelas mulheres. “How to Get Away With Murder” também, quem é essa mulher? Que escândalo é a Viola Davis num personagem tão misterioso, que nos faz refletir sobre tantas questões e humanizar! Eu, como mulher negra achei de uma genialidade!

Hoje estou procurando diversificar, mudar meu olhar, corresponder um pouco à minha carreira, até pra eu entender o que quero pra mim, o que é possível, o que que eu aspiro como artista. Pois além da profissão, uma função social. Principalmente nestes dias em que estamos vivendo é muito importante pensarmos sobre o espaço que queremos ocupar.

Maquiagem no Cinema: Falando em movimentos sociais…

Renata Vilela: Eu ando assistindo muitas séries, eu e meu marido aqui em casa. E temos notado uma aproximação dessa realidade. Esse olhar, né? Fico encantada com as sutilezas dessas performances, desses atores… E ifco cada vez mais apaixonada e com mais vontade de fazer. Porque é um desafio muito grande. Isso te traz para sua realidade, ao mesmo tempo que cria essa ilusão e é uma sacada genial porque acaba trazendo ganchos para outras temporadas, essas nuances, esses silêncios, esses tempos, essas respirações, esses subtextos que a gente fica sempre na dúvida… Então para mim tá sendo cada vez mais apaixonante, quero estar sempre que eu puder num set de filmagem. E, falando em movimentos sociais, vi essa transformação aqui mesmo, em casa. Meu marido protagonizou dois longas. Isso deu uma motivação tão grande, uma esperança! Uma força para querer continuar, para entender que é esse o lugar que a gente tem que chegar, humanizar nossos personagens, trazer histórias que estimulem a gente a entender que é possível chegar lá. É claro que tem todo um caminho, a gente vive realidades muito diferentes, em termos de Brasil. Mas a nossa geração está vendo as coisas acontecerem, tenho gratidão por saber que isso é um fruto diário de lutas, brigas, e resiliência. Essa é a palavra.

Maquiagem no Cinema: Como foi (e é) sua experiência com comerciais?

Renata Vilela: Meu primeiro foi em 1999/2000, para o Mac Donalds, e depois foi lá para 2003/2004, num momento que eu estava precisando, fazendo aula de balé, companhia, era uma época de vacas magras… Fiz uma sequencia de filmes para Pernambucanas, foi muito legal. Teve um que me marcou muito em 2011, num momento em que eu estava muito questionadora, curiosa, buscadora, fazendo terapia (ainda faço), mas estava num momento de muitas descobertas… Foi um comercial para uma marca de cosméticos, e foi muito especial. O teste foi especial. E coincidiu com o teste para a novela. Fui editada mas estava presa com a resposta da Globo, e acabou que quase desisti do comercial e o diretor pirando… Eu estava apenas editada, e falei para a produção: “Pede pra ele procurar outra, fazer teste com outra, estou sentindo que vou fazer essa novela”… Aí o diretor foi em vários estados procurar o meu perfil, e encanou comigo. É que realmente foi um teste muito especial, de contar história, e eu tava num momento que fez sentido algumas verdades, eu me expressei bem em relação a isso, pois normalmente acho até que sou um pouco calada em relação a essas questões. Ele se entusiasmou e não achava ninguém. Lembro que ele queria fazer dois contratos, um para quando estreasse a novela, outro caso eu não fosse aprovada. Foi um comercial muito respeitoso, equipe toda, direção, uma energia maravilhosa…
Claro, já peguei também perrengues de comercial, set de filmagem onde a equipe não se compreende, a questão da pele, do negro, o cabelo… Hoje estamos em uma aceitação de nosso cabelo, de nossa ancestralidade… Mas para muita gente ainda não caiu a ficha, então percebo que tem uns lugares que você precisa se colocar, ter inteligência para se colocar, porque a gente precisa trabalhar. Humildade, porém sabedoria, sempre!
O que me pega, às vezes, não é nem produção, é cliente, né? Muitas vezes o cliente não tá sacando que a gente tá num novo momento da história. A gente tem que estar sempre preparado, não digo armado, mas preparado pro lugar que você vai ocupar, pra propaganda que você vai fazer. Porque a gente ainda lida com essa questão de cotas, né? Não chegamos na normalidade humana, que é o talento, a beleza, a competência, a capacidade. Claro que tem esses componentes, são necessários, mas existe ainda esse lugar que não é uma coisa normalizada. Nessas histórias, em cada projeto, vou descobrindo o quanto é importante ver, reconhecer a maturidade, os caminhos, se apropriar do conhecimento e saber se colocar, sempre à medida de que se é respeitado também, né?

Maquiagem no Cinema: Fale sobre ser mulher e negra no Brasil

Renata Vilela: O feminismo é uma questão muito ampla, tem muitas perspectivas diferentes, falamos de acessos, direito à vida, taxa de mortalidade, índices de violência, escolaridade e tem muitas questões importantes e marcantes. Por exemplo, o assassinato brutal da deputada Marielle Franco, eclodiram vozes e percebemos que é uma luta que não tem retrocesso, o lance do “ninguém solta a mão de ninguém”, criamos raízes. E eu como artista, tô aqui sempre agradecendo aos meus ancestrais pela vida, pela oportunidade, por entender, por me desenvolver o máximo que eu posso. Honrar e honrar de verdade. Entendo que o meu movimento dentro do audiovisual é um movimento político, é o movimento da sociedade. Estremece a pirâmide, entende? E tem algo muito importante que eu penso – que é independente da crença – nós viemos de uma fonte, uma fonte universal. Sempre acreditei que somos perfeitos, só que nesse estágio de consciência, nem todos têm capacidade de perceber. Para perceber, precisamos abrir mão de muitas coisas que nos foram impostas e valorizadas ao nível máximo. Precisamos entender que nós somos capazes de criar nossa realidade, pois viemos de uma fonte criadora. A arte representa um pouco esse macrocosmo, e acredito que nós somos capazes, sim, e cada vez mais estou ciente do meu propósito de ser artista, de poder criar, inspirar e dar um pouco esperança. A arte nos dignifica também. Na quarentena, eu e meu esposo, temos feito vídeos cantando. Não tínhamos pretensão alguma, mas isso está criando uma força muito bacana, nos trazendo um pouco de paz, um pouco de ar. A pandemia fala muito da questão da respiração. A quantidade de informações, vivendo dentro de isolamento, as desigualdades sociais aparentes, tudo isso nos faz criar alternativas para podermos no fortalecer, e tentar nos salvar. Esperamos estar cada vez mais com essa intenção, já que precisamos sair com sanidade mental, física, moral e que possamos também transmitir essa energia criadora, essa potência divina que todo mundo pode acessar um dia. Tenho pensado muito nisso.

Renata Vilela e seu esposo, César Melo, em um dos vídeos de música, que tem encantado os seguidores. Vale a pena conferir!

Maquiagem no Cinema: Quais seus projetos e qual sua visão para um futuro depois desta pandemia?

Renata Vilela: Estava trabalhando bastante no começo do ano, cotada para um projeto legal na TV (Passa logo pandemia! Risos)… Agora não sabemos quando voltaremos… Além disso, eu e meu marido vamos lançar um single e vou dirigir nosso clipe.. Estamos em processo de criação… E tenho mais 3 projetos para quando isso acabar, mas ainda não posso falar… Aguardem novidades!

É isso, vamos alimentar nossa esperança, diariamente, tem dia que a gente não tá bem, e temos que ter paciência.

Por fim, espero que toda essa mobilização que está havendo, principalmente neste momento da pandemia, essa sensibilização e engajamento com a causa negra, que isso não enfraqueça, que não seja só um modismo, que não se perca de vista.

Agradeço a oportunidade de dividir minha história e que possa contribuir e inspirar mais pessoas através das minhas experiências!

Nossa entrevista no Blog Cabideiro!

Nossa entrevista no Blog Cabideiro!

Fomos convidados para uma entrevista no Blog Cabideiro e com muito orgulho dividimos o conteúdo com vocês!

CULTURA

Mulheres no cinema: a representatividade que ainda falta

24 de fevereiro de 2019

Hoje acontece o Oscar, a premiação mais importante do cinema internacional. Apesar de estarmos ansiosos para ver quem serão os vencedores, precisamos falar sobre uma coisa muito importante: a representatividade feminina no cinema. Este ano não haverá premiação para diretoras, cinegrafistas, editoras e até artistas de efeitos visuais. Dos 41 indicados para as 4 categorias acima, nenhuma é mulher.

Em 91 anos de Oscar, Kathryn Bigelow foi a única mulher a ganhar o prêmio de direção pelo filme “Guerra ao Terror”, e apenas outras quatro mulheres foram indicadas. Durante todos esses anos, as mulheres representam apenas 5% dos indicados para melhor direção, mesmo que tivessem 20 diretores na categoria, seriam poucas as chances de ter uma mulher na lista.

O Academy Awards não é o único a faltar com a representatividade. O Festival de Cannes premiou apenas duas mulheres com a Palma de Ouro. A primeira vencedora foi Yuliya Solntseva por “A Epopéia dos Anos de Fogo”, em 1961 e a segunda vitória aconteceu 56 anos depois, a diretora Sofia Coppola ganhou com o filme “O Estranho Que Nós Amamos” em 2017.

Um grupo da Universidade do Sul da Califórnia que avalia a caracterização dos personagens com fala ou nome nos 100 filmes de maior bilheteria nos Estados Unidos, apresenta seus estudos feitos de 2007 em diante. De acordo com a pesquisa, mulheres representaram apenas 7,3% dos diretores em 2017, embora seja um aumento em relação a 2016, quando a porcentagem ficou em 4,2%. A pesquisa mostra que a presença feminina por trás das câmeras está estagnada. A proporção chega a 22 cineastas do sexo masculino para cada profissional feminina.

O mesmo estudo ainda aponta que atrizes têm três vezes mais chance do que atores de serem mostradas em roupas reveladoras, ou com alguma nudez. A desvalorização do trabalho da mulher está presente desde a formação até o ingresso no mercado de trabalho. Este fato, sem dúvidas, determina a dificuldade que temos em produzir conteúdo mais realista em relação ao mundo feminino.

“Como em todas as profissões, temos que superar os homens, tanto pela falta de oportunidade quanto pelas questões relacionadas à força física. Carregar muito peso, por exemplo, é uma das grandes dificuldades do maquiador cinematográfico e são poucos os profissionais que se disponibilizam em ajudar”, é o que a maquiadora de cinema Mirella Oliveira nos conta. “Outro grande desafio é sermos ouvidas nos sets de filmagem, em grande maioria sendo liderados por homens. Temos sempre que gritar mais alto para termos voz”, conclui.

Além do seu trabalho por trás das câmeras de grandes publicidades como Coca-Cola, Boticário e Netflix, ela também participou de produções de longa-metragem, como o filme Abe que teve a sua estreia mundial e abriu o Sundance Film Festival 2019. Um fato interessante, é que a chefe do departamento de maquiagem da produção do filme era uma mulher, a maquiadora Bruna Nogueira. Estar em produção é um trabalho incrível, mas pensando em dar uma voz a mais para o seu trabalho, Mirella fundou o blog “Maquiagem no Cinema“.

Apesar de estarmos falando em âmbito internacional, ainda temos essa questão cultural no Brasil, quando esse lado é questionado ela nos direciona para a falta de acesso à cultura, o pouco investimento que temos na educação. “Quanto mais educação e cultura, maior a possibilidade de questionamento e respeito ao próximo. Infelizmente ainda temos muito o que aprender com os países mais desenvolvidos”, aponta Mirella.

O espaço conquistado pela mulher é com muita luta, a indústria cinematográfica exige muito de quem se dispõe a entrar nela. “Conheço profissionais, muito próximas de mim, que desistiram do sonho de trabalharem na indústria cinematográfica porque o marido tem ciúme ou porque não consegue conciliar todas as responsabilidades domésticas, considerando as longas jornadas, viagens e madrugadas adentro”, finaliza.

Nosso espaço é conquistado só por quem luta muito, são essas questões que nos diminuem em relação ao homem, podemos levar em consideração o quanto que ainda precisamos ser valorizadas quando ingressamos na profissão. Assim como a Mirella, todas nós apenas queremos o devido respeito e reconhecimento. Tanto os homens quanto as mulheres devem entender que existe sim a desigualdade, nossos gêneros não definem a capacidade profissional e isso deve ser considerado ao nos darem oportunidades.

Fonte: Blog Cabideiro

Agradecimentos: Vitoria Borgi,
Bruna Nogueira e Hollywood Makeup Lab